This website requires JavaScript.

Imperial Stout

O qué é uma Imperial Stout?

A Imperial Stout é uma cerveja escura, entre castanho escuro e preto. Aromas e sabores tendem a ser ricos e complexos, com a presença de maltes tostados e frutas secas, e toques de café, caramelo e chocolate. A presença do lúpulo no paladar varia de intensidade média a alta. A Imperial Stout é especialmente recomendada para envelhecimento em barris, que suaviza e equilibra os sabores e aromas da cerveja.

História

A Imperial Stout—também conhecida como Imperial Russian Stout—é um estilo cujas origens remontam ao Reino Unido no início do século XVIII. Uma das perguntas mais frequentes ao definir este gênero é qual é a diferença entre uma Porter e uma Stout. O termo Stout foi usado no Reino Unido para se referir ao Porter de caráter forte, e lendas dizem que a maioria dos Stouts foram feitos com o objetivo de exportá-los para a corte real russa. Esse comércio terminou abruptamente por causa das Guerras Napoleônicas, e foi então que o estilo começou a se popularizar entre os habitantes do Reino Unido. A lenda também diz que a alta porcentagem de álcool foi uma medida para evitar que a cerveja congelasse em baixas temperaturas de transporte. Dados históricos, no entanto, dizem que foi a imposição de tarifas em 1822 que fez com que a exportação de Stout para a Rússia perdesse toda a competitividade. Isso fez com que os fabricantes de cerveja ingleses começassem a fabricar e exportar Índia Pale Ales para colônias britânicas na Índia. Quanto à popularidade do estilo, embora seja verdade que a Imperial Stout se tornou popular durante o século XIX no Reino Unido, o estilo já tinha um certo impulso de antes, sendo vendido nas ilhas pelo menos desde 1785, e já aparecendo até então o termo em comerciais. No século XIX, os termos porter e stout tinham um viés regional, sendo porter usado principalmente na região de Manchester, e stout na região de Londres. No entanto, stout foi também um termo usado em Manchester para se referir a um tipo forte de stout, então pode-se inferir que em suas origens stout foi geralmente um subtipo de porter. No que diz respeito à quantidade de álcool, é um mito que o transporte através do Báltico foi a causa, uma vez que a estas temperaturas a água do mar congelava antes do álcool, tornando impossível a navegação, o que se deveu muito provavelmente aos gostos do mercado russo de bebidas alcoólicas fortes. Por outro lado, é verdade que a cerveja Imperial Stout foi exportada principalmente para a Rússia—e para outros países bálticos, como a Polônia—até que as tarifas a inviabilizaram. Mas o termo Imperial Stout não apareceu até 1821, e seu uso não se estendeu no Reino Unido até 1830, ano em que a Beerhouse Act removeu as barreiras de entrada ao fabrico de cerveja, permitindo o acesso dos pequenos produtores ao mercado e, por sua vez, fazendo com que os grandes produtores se interessassem por novos estilos para evitar a perda de participação de mercado. Mesmo assim, o termo Imperial Russian Stout só apareceu em 1889, aplicado aos Stouts exportados para a Rússia, sendo uma elaboração diferente da de Imperial Stout. A produção da Imperial Stout para exportação para a Rússia foi durante esses anos praticamente um monopólio nas mãos de A. Le Coq, que já em 1912 planeou abrir uma fábrica na Estónia a fim de reduzir os custos de viagem, um plano que teve de ser abandonado pelo início da Primeira Guerra Mundial. A produção da Imperial Stout para exportação para a Rússia foi durante esses anos praticamente um monopólio nas mãos de A. Le Coq Co. Já depois da guerra, o nome Russian Stout foi usado pela cervejaria do Barclay, mudando-o para Imperial Russian Stout já em 1970. Hoje o Imperial Stout é considerado um estilo ligeiramente mais forte que o de Porter, embora a % de álcool pareça ser semelhante entre as duas categorias, então a diferença está mais em nuances como o caráter mais doce e toques de chocolate das Porters versus o caráter mais amargo/frutado das Imperial Stouts.

Artigo Relacionado